29 de março de 2020

Beleza, cabelos, cuidados com a pele, rosto, mãos e principalmente unhas, estão entre as preocupações das mulheres e homens nos centros de estética. Estima-se que mais de 20% das pessoas com mais de 40 anos possuem as chamadas micoses de unhas (onicomicose).

Frequentemente elas surgem nos pés, mas também existem muitos casos da presença do fungo nas mãos. As micoses das unhas são infecções que se desenvolvem pela presença constante em ambientes úmidos ou quentes. Compartilhar piscinas e banheiras também favorece o surgimento das micoses das unhas. As micoses nas unhas são infecções que levam tempo entre meses ou até anos para se alcançar um resultados de cura e eliminação total do fungo. Esse tratamento inclui medicamentos para uso tópico, como esmaltes, ou ainda remédio via oral. A combinação dos medicamentos aumentam a eficácia de todo o tratamento.

Mas, o início do tratamento e qual a melhor forma de cura depende do diagnóstico médico, que vem de encontro com a descoberta de qual fungo é o causador da micose.

Em casos mais avançados de infecção o tratamento inclui medidas cirúrgicas, raspagem e ácidos.

Dicas para prevenção de micoses nas unhas

Dê atenção especial as unhas pelo menos uma vez na semana. As unhas quebradas, estragadas, sujas e sem cuidados aumentam a possibilidade de desenvolvimento de fungos causando a infecção e micose. Seque bem entre os dedos dos pés, as micoses se desenvolvem em lugares úmidos, e manter os pés e entre os dedos sempre bem seco evita a infestação dos fungos.

Evite andar descalços em lugares públicos, esteja sempre calçada com no mínimo chinelos.
Elimine os sapatos apertados do seu armário, a pressão exercida nos dedos causada pelos saltos altos ou sapatos de bico fino também machucam as unhas e não as deixam confortáveis, favorecendo o desenvolvimento dos fungos.

Essas são só algumas dicas para que você tenha seus pés e mãos livres de fungos e micoses, o importante é sempre estar atento ao surgimento de manchas e coceiras.

15 de julho de 2019

Chega de rachaduras, unhas encravadas ou micoses. Conheça os melhores jeitos de cuidar, na sua própria casa, dos pés durante a temporada de outono/inverno.

Assim como acontece com os joelhos e cotovelos, nossos pés também são partes sensíveis do corpo que podem acabar sofrendo alguns danos devido à chegada do outono-inverno. Entre os probleminhas, as queixas mais frequentes nos consultórios dermatológicos por aí envolvem calos, bolhas, pele da região ressecada ou com fissuras – alô, banho quente! -, as temidas unhas encravadas(culpa do uso frequente de sapatos muito fechados), além das populares frieiras e micoses, que parecem não ter data certa para surgir.

Mas, para quase tudo tem-se um jeito e nós – com a consultoria das profissionais Patricia Ormiga, dermatologista, e Katia Pacheco Barbosa, dermatofuncional, vamos ensinar maneiras infalíveis de proteger e cuidar dos seus pés naqueles dias em que o friozinho resolve aparecer com força.

Hoje e sempre: hidrate-se!

Quando o assunto é ressecamento dos pés, não há outra forma de eliminar o problema a não ser, como de praxe, hidratando muito a região. O ideal mesmo é que cremes hidratantes sejam aplicados diariamente, como parte da sua rotina de cuidados e, de preferência, após o banho – que é quando a pele está mais sujeita a absorver os nutrientes.

Se bater aquela dúvida na hora de investir no creminho certo, escolha os específicos para pés, que possuem ativos como: ureia, um dos mais clássicos e eficientes, óleos de amêndoas ou de algodão, manteiga de karité, pantenol e gerânio. Ainda em dúvida? Nesse caso, consulte a opinião de uma especialista – tanto podólogas quanto dermatologistas podem sanar de vez seus questionamentos.

Potencialize a maciez com uma bela esfoliação

Além de hidratar os pés, recomenda-se esfoliar a pele da área semanalmente, ainda mais no inverno, quando eles ficam fechados e abafados por mais tempo. Esfoliações são importantes porque contribuem para a maciez da pele e eliminam as céluas mortas, ao passo que acabam com aquela sensação incômoda de aspereza.

Lixar os calcanhares? Só em último caso, apenas se você sentir seus pés muito “cascudos”. Aí, o ideal é passar a lixa antes de começar a esfoliar – no mais, o melhor mesmo é preservar seus pezinhos da maneira mais natural possível, combinando a esfoliação com os hidratantes já citados.

Toalha neles!

De maneira alguma calce seus sapatos estando com os pés úmidos, pois essas condições são as mais favoráveis para o surgimento das micoses, fungos, bactérias e frieiras. No frio, ainda, a desvantagem fica por conta dos sapatinhos menos abertos, que fazem com que a transpiração dos pés aumente ainda mais

Não se esqueça de secar muito bem a área, priorizando o meio dos dedos, local preferido das frieiras e evite ao máximo caminhar por aí com calçados apertados. Se a transpiração for algo constante na sua vida, seja no verão, outono ou inverno, sempre que possível troque de meias e seque os pés ao longo do dia, nem que para isso você tenha que andar com uma toalhinha na bolsa.

Faça em casa

Embora fazer escalda-pés seja super relaxante após um longo dia de trabalho, no outono e no inverno a prática pode não fazer tão bem assim: é que o processo envolve o uso de água quente, que atua removendo as camadas protetoras da pele e, por consequência, deixando os pés ainda mais ressecados – a dica, então, é fazer uma hidratação caseira bem simples.

Anota aí:

Antes de dormir, após o banho, deixe os pés bem sequinhos utilizando uma toalha macia e, então, aplique o creme hidratante de sua preferência. Cubra a área com uma meia de algodão, melhor tecido para evitar que os pés fiquem sem respirar, e vá se deitar. O “ritual” ajuda a manter os pezinhos sempre hidratados no frio. Ah! Nem pensar em colocar as meias com os pés úmidos, combinado?

Pedicure pede atenção

Seja em casa ou no salão de beleza, a pedicure no inverno merece ser feita com um tantinho mais de prudência. Por exemplo:

  1. O uso de sapatos fechados contribui para que as unhas dos pés fiquem encravadas. Opte, então, por cortá-las de forma reta, evitando o problema.
  2. Não retire muito as cutículas das unhas dos pés, e evite cutucar os “cantinhos” na manicure. Retirar a cutícula deixa a região desprotegida e exposta a agentes externos, podendo causar a proliferação de fungos e micoses.
  3. Para que as unhas dos pés se mantenham firmes e fortes, uma boa dica é aplicar óleo de cravo nos dedinhos a cada três dias para protegê-los.

Para evitar mesmo que os probleminhas acima apareçam durante o inverno, Katia explica que alguns cuidados devem ser ministrados meses antes, ainda no verão. Não correr por muito tempo descalça na praia, para não causar bolhas, e não ficar com os pés molhados por um longo período, o que pode resultar em uma retenção de umidade – e até em descolamento das unhas – são alguns deles.

Patricia completa: “Não existe milagre. Como esses problemas decorrem das causas descritas, eles podem ser recorrentes se elas não forem extintas, ou se a prevenção não for feita de maneira correta e contínua”, diz.

Fonte: https://bit.ly/2Y9VXqQ

1 24 de março de 2018

Inverno é a época do ano em que os pés ficam mais esquecidos

Difícil esquecer dos cuidados com o cabelo, rosto ou corpo. Bem fácil esquecer dos pés. Coitados! Eles suportam nosso peso, nos levam para todos os cantos e quase ninguém, mulheres e homens, se importa com eles. No inverno, então, enfiados em botas, sapatos fechados e cobertos por meias, ficam escondidos. Logo, abandonados. Ao contrário do que muitos imaginam, é importante ter os pés hidratados, especialmente nas baixas temperaturas, já que o banho quente resseca a pele e, com o creme deixado de lado, a aspereza é fatal.

Os pés não são alvo de grande preocupação estética. “Os pés merecem atenção em todas as estações. No inverno, em especial, precisam de mais porque, como ficam protegidos do frio, sofrem mais pressão, fissuras (o terrível calcanhar rachado) e calosidade (uso de botas de bico fino). Por isso, é necessário hidratar, esfoliar e não deixá-los tanto tempo cobertos. Eles precisam relaxar e respirar.”

Uma dica prática e com resultado é o velho e conhecido escalda-pés. Mas Tânia explica que o importante é, numa bacia ou num balde, colocar água em temperatura ambiente. Não esqueça de algumas bolinhas de gude e, se quiser, alguma essência, como óleo de camomila ou lavanda. Mas água pura também vale. “A água fria vai dar a sensação de relaxamento e será tão boa que você certamente incluirá na rotina, fazendo sempre. Esqueça a água quente porque ela aumenta a circulação, não é indicada.” A podóloga indica esfoliar também, mas com intervalos. Uma vez por semana, a cada 15 dias ou mensal. Tudo depende do estado dos pés. “Se estiver com a pele grossa, com fissura, é importante esfoliar para eliminar a pele morta.”

A correria do dia a dia pode impedir esse compromisso com os pés. Por isso, lembra que é preciso certo esforço, com boa dose de vontade e querer estar bem da cabeça aos pés. Ela avisa que o correto é hidratar a região diariamente. Ela indica produtos à base de ureia. E alerta: “Não hidrate entre os dedos, essa região deve estar sempre seca para evitar frieira. E se tiver dificuldade de ficar com hidratante, passe, use uma meia por 20 minutos e tire. Vai dar resultado”.

O spa dos pés, tratamento que inclui várias etapas. “Higienização, esfoliação, banheira de ozônio (que age como fugicida, bactericida, relaxa e massageia), massagem, reflexologia, uma bota de parafina para hidratar e fortalecer por 15 minutos e, para encerrar, nova massagem. O tratamento dura uma hora, uma hora e 15.” Há também só a reflexologia ou a massagem. “O cuidado com os pés tem de ser um hábito, pelo menos uma vez por semana. E não é só para a beleza, mas para a saúde. Reserve um tempo do seu dia para eles.” Outra dica: tente, ao menos no inverno, não pintar as unhas dos pés e, assim, descansá-los. “O correto é que todas ficassem sempre um período do ano sem esmalte ou, pelo menos, tirá-lo na quinta se for ao salão no sábado. É para a unha respirar e clarear, já que o esmalte tem muita pigmentação.”

DESCALÇO Os pés são nossa base de sustentação e precisam de atenção. No inverno, como ficam mais “presos” e não se anda descalço, ela diz que é o momento de carinho. “Se no verão o enfeitamos, no frio temos de acariciá-los. O que significa cuidado redobrado.”

A melhor saída é mesmo o escalda-pés. “Prefira a água quente porque, além de mais confortável, a temperatura facilita a penetração do hidratante, que será potencializado, e do sal de banho, que pode ser colocado na água. Aliás, a sensação de bem-estar começa nos pés e percorre todo o corpo.” A gerente reconhece que a água quente ativa a circulação, dilata os vasos, mas nada que vá causar prejuízo. “Água fria nesta época trará desconforto, não é o caso.”

Cuidar dos pés é uma oportunidade de desacelerar, estar mais presente e atenta ao corpo. Hora de aproveitar o tempo para se dar carinho e fazer uma massagem. “Recomendo definir três linhas verticais e apertar o dedão. Esse gestual faz a diferença, já que há inúmeros pontos de energia do corpo nos pés. É uma oportunidade de equilíbrio integral.” Se ainda não ficou convencido e a preguiça ainda o domina, ela lembra que o inverno é “um convite para ter os pés bonitos no verão”.

Cuide-se:

No clima frio, a pele fica mais ressecada. O vento e a diminuição da temperatura contribuem para o ressecamento, que pode levar à coceira. Confira as dicas da dermatologista Samar Harati, do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, de São Paulo, para manter sua cútis saudável e hidratada.

1) Tome banhos curtos e mornos
2) Não use buchas para se esfregar. Elas diminuem a oleosidade natural da pele
3) Evite o uso excessivo de sabonete
4) Use hidratante específico para seu tipo de pele. O importante é que ele contenha ureia e lactato de amônia
5) Beba bastante água
6) Para os lábios, que costumam sofrer com rachaduras nesta época, recomendo não umidificá-lo com a saliva, uma vez que sua acidez causa um ressecamento ainda maior. O ideal é usar hidratante labial com filtro solar
7) É importante usar o filtro solar mesmo em dias nublados e chuvosos

Fonte: https://goo.gl/rV1yGp
11 de agosto de 2017

Deixe a pele do pé respirar e o sangue fluir andando descalça em casa.

Isto ajuda?

Andar descalça tem suas vantagens. Ajuda a melhorar a circulação sanguínea, estimula a sensibilidade dos pés e induz um estado de relaxamento. Aproveite o clima agradável e ande descalça em sua casa, no parque ou na praia.

A seguir algumas dicas de cuidados com os pés.

– Nas primeiras vezes que você andar descalça, prefira uma praia de areia fina ao invés de uma com pedrinhas ou um gramado macio ao invés de uma trilha na floresta.

– Evite pisar em objetos sujos ou cortantes.

– Sempre carregue seus sapatos com você e se o chão não estiver limpo, calce-os imediatamente.

– Não exagere. A princípio os tendões e articulações de seus pés podem apresentar dores e inflamação devido ao stress.

– Quando chegar em casa, lave bem seus pés, seque-os e aplique cuidadosamente um hidratante para mantê-los macios.

10 de maio de 2017

Seque bem os pés
Tão importante quanto lavar os pés, secar bem depois do banho também é fundamental. Isto pode ajudar muito na prevenção do surgimento de frieiras.

Dê preferência à meias de algodão
Sempre prefira meias de algodão às de nailon. Um fator importante é que o algodão permite uma maior evaporação do suor.

Troque o calçado diariamente
Procure trocar de calçado todos os dias, tanto em relação à altura quanto ao tipo de salto. Isto ajudará a amenizar dores e inchaços.

Diabéticos e o cuidado com os pés
Pessoas diabéticas devem evitar cortar as unhas sem auxilio de um profissional, isto devido a graves complicações que esta doença pode causar.

Postado em Podologia | Tags: , , ,
30 de abril de 2016

4 truques para você NUNCA mais sofrer com sapatos apertados

Você não resistiu a um par de sapatos com custo benefício incrível, trouxe eles para casa influenciada por sua primeira impressão na loja, para descobrir que eles são pequenos instrumentos de tortura em seus pés. Ainda que digam existir dezenas de truques caseiros e até produtos especiais que prometam induzir o calçado a lacear, sair por aí mancando ou com o pé latejante não é agradável. Saiba como se prevenir desse mal e como contornar a situação numa emergência.

Para garantir o calçado perfeito

1. Experimente o sapato
Muitas pessoas se convencem de que seus pés param de crescer quando adolescentes, mas esse nem sempre é o caso. Se você tiver um pé maior que o outro, certifique-se sempre de comprar o tamanho maior. Além disso, a numeração dos sapatos pode variar entre as marcas, por isso o recomendado é experimentar sempre um número acima ou abaixo, e tirar qualquer dúvida sobre o melhor tamanho.

2. Prove sapatos no final do dia
Os pés podem inchar durante o dia, às vezes, adicionando até um numero a mais ao tamanho do calçado. Experimentar os sapatos no final do dia, ao invés de prová-los pela manhã vai garantir que ainda sejam confortáveis quando seus pés estiverem maiores.

Se os sapatos machucam

3. Prepare-os com antecedência
Antes de usar os sapatos já na primeira ocasião, tente amaciá-los caminhando pela casa com um par de meias mais grossas. Nos sapatos de couro, algumas pessoas também recomendam o aquecimento dos calçados com um secador de cabelo para amaciar a pele e permitir que eles se estiquem para a forma correta ao seu pé.

4. “Grude” seus dedos dos pés
Não, não estamos defendendo nenhuma técnica perigosa de ligação, mas um truque usado frequentemente por modelos. Quando desfilam em saltos altíssimos na passarela, em sapatos que não são seu número, costumam “colar” seus terceiro e quarto dedos do pé unidos com fita esparadrapo. Isso facilita a pressão sobre os nervos e reduz a largura – e a dor –  de seu pé, pelo menos, mais um pouco.